SANTA BÁRBARA - A JÓIA PERDIDA NO CERRADO KALUNGA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Roteiro Engenho II (Kalunga) – Santa Bárbara, Capivara e Candaru

Este é atualmente o passeio mais famoso na cidade de Cavalcante. Inclui a possibilidade de visitar as três cachoeiras do povoado e opção de almoço. Entre elas as cachoeiras Candaru, Capivara e Santa Bárbara.

A visita aos 3 atrativos costuma tomar o dia todo, não especificamente por conta de trilhas longas  mas sim pelos tempos tomados nos deslocamentos de automóvel e pelos tempos para banho  e tempo para foto em cada local

 

 

           O QUE VOCE PRECISA SABER

 

  • É um roteiro em que se visita um povoado tradicional, então tente perceber que não se trata apenas de uma cachoeiras, mas sim de algo que mistura: cultura, tradição, conhecimento natural e história. Além de aspectos biológicos, geológicos estonteantes
     

  • Você vai precisar de contratar um guia para realizar o passeio. Isso é uma imposição da direção Kalunga que administra a região. E tem os seus fundamentos. O guia pode ser contratado em qualquer uma das cidades da chapada, desde que seja devidamente credenciado. Mas se você não tiver nenhum ainda em mente, pode simplesmente aparecer lá e comparecer na recepção, pois há muitos guias nativos disponíveis ali na comunidade. Troque uma ideia com a atendente acerca dos requisitos que você procura para o seu condutor e ela te indicará alguém
     

  • A estrada que dá acesso ao povoado se mantém grande parte do ano boa. Não há valetas gigantes, atoleiros ou nada parecido que torne o trajeto inviável para quem não tem um veículo 4x4. Atenção e humildade são os únicos requisitos necessários para se sair bem na estrada. Muitos visitantes alugam carros altos e dirigem em altíssima velocidade por ali, ocasionando frequentes acidentes e capotamentos que podiam ser facilmente evitados
     

  • O passeio costuma durar o dia todo. Porque, como já foi dito não se limita a ser apenas uma visita á cachoeira. Além disso há todas as questões de transporte envolvidas
     

  • Em um determinado momento de 2019 a direção da cachoeira decidiu vetar que veículos próprios fossem usados par acessar as trilhas dos atrativos. Isso significa que você terá de deixar o seu carro estacionado e tomar um transporte da comunidade para chegar até o começo das trilhas. O motivo disso: o fluxo de carros em dias de superlotação estava tão grande que atrapalhava a vida no povoado
     

  • Você tem a opção de almoçar por lá. Inclusive um dos pontos altos do passeio. Pois os almoços são preparados nas casas das cozinheiras ao estilo nativo, com ingredientes nativos. Há muita variedade de verduras e legumes. Veganos e Vegetarianos são contemplados também

.

                                      

                                                    -    THE  CACHOEIRAS -

                               

 

                                                                -  CANDARU -

O primeiro grande capítulo dessa história fica sendo a cachoeira da Candaru. Das três irmãs é aquela que mais intensamente representa a essência do povoado Kalunga.

Muito antes dos primeiro turistas e visitantes chegarem ao local essa cachoeira já era um marco simbólico para os moradores. Ela fica dentro de uma região de plantação de roças, alocada no veio de um imenso vale de matas e segredos. Já vi e ouvi muitos guias dizendo sobre as memórias vivas de suas infâncias naquele lugar, ouvindo a cachoeira roncando no silêncio da noite chuvosa enquanto dormiam nos barracos das roças, na época de plantação.

Até o começo de 2019 a cachoeira da Candaru costumava ser uma das menos visitadas. Por que ? A única trilha a pé que dava acesso ao local era a mais comprida e técnica do dia: uma verdadeira descida por dentro da mata com pelo  menos 2 m de pedras e barrancos. Algo nada impossível, mas um pouco mais puxado na ida do que na volta. Onde tudo se inverte e a descida se torna uma subida.

Sacrifícios à parte, a trilha era também uma das passagens mais bonitas do roteiro. O caminho era totalmente irregular e passava sempre pela sombra da mata.

A partir de janeiro, a trilha não mais passou a ser feita a pé, uma pequena estrada de acesso que passa mais ao lado da trilha foi reformada e o pau de arara passou a transportar os visitantes diretamente morro abaixo, sem que para isso fosse necessário derramar uma só gota de suor! Melhora para alguns, piora para outros que ainda cultivam os segredos da caminhada e do caminhar.

No entanto, seguindo pela trilha a pé ou pelo transporte, a majestosidade da chegada na Candaru ainda permanece. O vale imenso se abre para o visitante que desce de carro por uma pirambeira imensa. O solo envermelha, a poeira sobe, as árvores alcançam os céus e a mata se fecha entre árvores gigantes e silêncios. Lá de cima já dá para ver a cachoeira no vale, e ao longo do caminho as roças dos kalungas dispostas ao lado de barracos provisórios feitas de palha.

A Candaru também é a maior das cachoeiras do povoado e possui mais de 70 metros de queda, divididos em 2 poços bem grandes. Também não existe limite de tempo para ficar apreciando ou se banhando a Candaru.

 

               

 

​​

 

 

 

 

                                                       

 

 

 

 

 

-  SANTA Bárbara -


Um verdadeiro fenômeno dentre as cachoeiras da Chapada dos Veadeiros. A Santa Bárbara pode ser encarada de muitas maneiras. Ou seja, você pode olhar para ela e enxergar ali tanto o viés social, como  aquilo que nela representa também a beleza secreta e marginalizada do povo Kalunga. Ou apenas como um atrativo bem badalado.

Podemos enxergar o verdadeiro pilar que ela se tornou no mundo do turismo, trazendo à tona toda a questão social  dos quilombolas Kalungas e libertando-os de um tremendo esquecimento público que durou mais de séculos. Nestes tempos a comunidade passou desassistida completamente por políticas públicas em qualquer nível, sendo forçada a sobreviver dos próprios esforços no isolamento do cerrado, sem ter para si acesso a estradas, acesso a qualquer atendimento de saúde ou educação.
 

O fenômeno turístico da Santa Bárbara aconteceu de repente, um pouco simultâneo ao surgimento do instagram.  A combinação foi explosiva.... centenas e milhares de visitantes passaram a vir e o povoado esquecido passou a ter chance de uma nova fonte de renda complementar. Mas também passou a conhecer a impessoalidade do homem de cidade grande e os problemas que surgem com o progresso do turismo.

A maioria dos Kalungas ali agora não precisa passar meses fora de suas casas em busca de serviço pesado nas fazendas vizinhas, sendo humilhados e explorados. Agora o Kalunga vê não somente a chance de permanecer o ano todo em sua terra, como também se vê como um povo, como uma identidade, como algo que ele tem orgulho, enquanto antes tinha vergonha de ser.

 

A Santa Bárbara fez muito pelo povoado e nos últimos 6 anos fortaleceu a união Kalunga ao ser desatacada aos olhos de muitos. Na mídia, nas pesquisas acadêmicas, nos projetos sociais e em muitos outros âmbitos E isso não pode estar dissociado desse passeio. Isso permanece em cada etapa que você avança ali no povoado até chegar nas águas azuis. Na recepção, no transporte, na comida, nos artesanatos, nos sorrisos, no alívio do povo, em todos esses itens há um pouco da Santa Bárbara, e em tudo há a identidade Kalunga.

 

O passeio

 

Não é uma trilha difícil, pelo contrário. Para chegar na Santa Bárbara você anda apenas 2 km de trilha acessível. Os visitantes serão obrigados a deixar o carro no estacionamento do  povoado e seguirem de transporte Kalunga até o começo da trilha. Ao todo 6 km de transporte mais 2 km andando  a pé.

Grande detalhe dessa jornada são as paisagens que se formam ao longo do curso do Rio Capivara. Há um imenso vale ensolarado no caminho em que plantas e flores e veredas desfilam suas belezas aos olhos dos visitantes. Há finais de tarde com luzes bonitas e momentos sublimes. Há flores para o inverno, verão, seca e primavera. Elas se alternam conforme as estações, e com elas todas as cores do horizonte. Preste atenção no vale! Ouça os buritis!

 

 

 

 

 

 

 

 

A CACHOEIRA -

A cachoeira tem a sua beleza de forma incontestável e dispensa descrições. Uma das suas caraterísticas principais é a de estar “escondida” dentro de uma mata ciliar (tipo de mata que acompanha o leito do rio) e não poder nem sequer ser vista de longe. Ela é mesmo secreta!

Sua nascente fica acima das cerras, muito próxima da queda, e por isso suas águas são sempre cristalinas. O poço é pequeno se comparado a de outras quedas, mas possui um estranho formato de altar ou círculo, onde os banhistas quse chegam a estar envolvidos pelos paredões de pedra. Cientificamente dizemos que as suas águas são azuis por conta  da predominância de calcário. Misticamente, dizemos que ela é azul por conta de  puro mistério.

Detalhes  imporantes:
 

  • Sim! A cachoeira apresenta dias de super lotação, quase que principalmente em feriados. Isso forçou a administração Kalunga a limitar em até 300 pessoas o número de visitantes por dia. A medida ajuda a reduzir impacto ambiental e evita a tragédia de o turismo deteriorar beleza naturais. Isso também significa que a visita geralmente tem o tempo monitorado em 1 hora, para que outras pessoas possam fazer a visita sem gerar tumulto.
     

  • A água não é azul por conta do Sol! E  isso é o grande erro do turismo. Criar a ideia de que o visitante precisa chegar em tal hora para ser feliz. Isso não existe e não condiz com a realidade da cachoeira. Pelo contrário, a água permanece azul por todo o dia, inclusive depois das 3 horas da tarde ou pela manhã. Sendo assim, não existe horário ideal para visitar a cachoeira, uma vez que a beleza é abundante e variada em todos os horários.
     

  • Pratique modelos de turismos sustentáveis de tente ir na contra mão dos grandes grupos. A ideia de que o horário do meio dia é o horário certo tem criado cenários horríveis de superlotação em um lugar onde a beleza é sutil e serena.  Assim, formando multidões estamos sempre destruindo a essência dos locais em que visitamos, mesmo sem perceber. O uso de protetor solar também tem sido devastador nas águas da Santa Bárbara, que são fontes de abastecimento para todo o povoado. Tente chegar na cachoeira mais cedo ou depois das 2 horas da tarde. Isso tornará a sua visita muito mais agradável e também ajudará no balanço adequado do turismo local.
     

  • Sorria !

           

          -  CAPIVARA -

                                                                           I

A cachoeira da capivara é, das três, a mais difícil de definir. Talvez uma boa frase para descrevê-la seria “uma vista para o infinito”....

Quando você chega por ali a primeira visão que se tem é do mirante para o vale lá embaixo, onde mais ao longe fica a cachoeira da Candaru. De todas as outras cachoeiras ela é que fica mais próxima do povoado e única que você pode chegar com os seus próprios meios: de carro ou a pé, sem precisar pagar pelo transporte. Ao todo, o caminho incluindo carro e caminhada não ultrapassa os 2 km.

Quando você chegar nesse mirante, não se engane, o poço para banho ainda fica lá em baixo, descendo mais uns 70 metros pela encosta do morro em uma trilha altamente acidentada. “Aqui” na parte de cima, os visitante ainda têm de brinde duas piscinas naturais onde dá para tomar banho tranquilamente e pegar bastante sol. Bem no topo da cachoeira um cedro amarelo nasceu imponentemente como se fora um ancião olhando para o infinito, calmo e todo retorcido.

Quando você chegar na parte debaixo da cachoeira, vá até o final da trilha seguindo  a corda que limita o acesso pelas pedras e você terá vista para o cânion do rio Capivara, na formação de um outro mirante com quedas impressionantes

.

Cachoeira da Candaru

Caminho da Cachoeira Santa Bárbara

Águas misteriosas e azuis

Recanto de sombra

Encontro de rios no poço principal da cachoeira da capivara

CHAPADA LIVRE

INFORMAÇAO PARA VIAJANTES NA CHAPADA DOS VEADEIROS E CAVALCANTE - GOIÁS
 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now